PDA

Ver Versão Completa : O que está em jogo no Segundo Turno?



Nom4d3
04/10/2006, 18:13
O que está em jogo no Segundo Turno?

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se a Petrobrás vai ser privatizada – como afirma o assessor de Alckmin, Mendonça de Barros à revista Exame – e, com ela, o Banco do Brasil, a Caixa Economia Federal, a Eletrobrás.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se os movimentos sociais voltarão a ser criminalizados e reprimidos pelo governo federal.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se o Brasil seguirá privilegiando sua política externa de alianças com a Argentina, a Bolívia, a Venezuela, o Uruguai, Cuba, assim como os países do Sul do mundo, ao invés da subordinação à política dos EUA.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se retornará a política de privataria na educação.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se a política cultural será centrada no financiamento privado.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se teremos menos ou mais empregos precários, menos ou mais empregos com carteira de trabalho.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se haverá mais ou menos investimentos públicos em áreas como energia, comunicações, rodovias, saneamento básico, educação, saúde, cultura.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se seguiremos diminuindo as desigualdades no Brasil mediante políticas sociais redistributivas – micro-crédito, aumento do poder aquisitivo real do salário mínimo, diminuição do preço dos produtos da cesta básica, bolsa-família, eletrificação rural, entre outros – ou se voltaremos às políticas tucano-pefelistas do governo FHC.

O que está em jogo no segundo turno é tudo isso – o que, por si só, é de uma enorme proporção e já faz diferença entre os dois candidatos. O que está sobre tudo em jogo nos segundo turno é a inserção internacional do Brasil, com conseqüências diretas para o destino futuro do país.

Com Lula se manterá a política que privilegia a integração regional e as alianças Sul/Sul, que se opõem à Alca em favor do Mercosul. Com Alckmin se privilegiariam as políticas de livre comércio: Alca, assinatura de Tratado de Livre Comércio com os EUA, isolamento da Alba, debilitamento do Mercosul, da Comunidade Sul-Americana, das alianças com a África do Sul e a Índia, o Grupo dos 20.

O que está em jogo no segundo turno é a definição sobre se o Brasil vai subordinar seu futuro com políticas de livre comércio ou se o fará em processos de integração regional. Isso faz uma diferença fundamental para o futuro do Brasil e da América Latina. Adotar o livre comércio é abrir definitivamente a economia do país para os grandes monopólios internacionais – norte-americanos em particular -, é renunciar a definir qualquer forma de regulamentação interna – de meio ambiente, de moeda, de política de cotas, etc. É condenar o Brasil definitivamente à centralidade das políticas de mercado, com a perpetuação das desigualdades que fazem do nosso o país mais injusto do mundo.

O que está em jogo no segundo turno então é se teremos um país menos injusto ou mais injusto, se teremos um país mais soberano ou mais subordinado, se teremos um país mais democrático ou menos democrático, se teremos um país ou se nos tornaremos definitivamente em um mercado especulativo e nos consolidaremos como um país conservador dirigido pelas elites oligárquicas (como um mistura de Daslu mais Opus Dei). Se seremos um país, uma sociedade, uma nação – democrático e soberanos - ou se seremos reduzidos a uma bolsa de valores, a um shopping center cercado de miséria por todos os lados.

Tudo isto está em jogo no segundo turno. Diante disso ninguém pode ser neutro, ninguém pode ser eqüidistante, ninguém pode ser indiferente.


Fonte: http://agenciacartamaior.uol.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=1&post_id=55

saullopcb
04/10/2006, 18:33
carta maior sempre vermelha !!!!

bombacha
04/10/2006, 18:57
Adotar o livre comércio é abrir definitivamente a economia do país para os grandes monopólios internacionais – norte-americanos em particular -, é renunciar a definir qualquer forma de regulamentação interna – de meio ambiente, de moeda, de política de cotas, etc. É condenar o Brasil definitivamente à centralidade das políticas de mercado, com a perpetuação das desigualdades que fazem do nosso o país mais injusto do mundo.
Essas atribuições são prerrogativas garantidas pela constituição, e vão continuar existindo, adotando-se a Alca ou não. A política de meio ambiente até sofre algumas influências econômicas, mas eu acho elas muito menos danosas que as influências geradas pela corrupção, por exemplo. Agora, dizer que a regulamentação financeira do país sofrerá algum tipo de controle externo é o fim da picada; é argumento de quem sequer conhece a realidade do país, dos tratos economicos e das ultra-rígidas regras que o BC impõe para trocas comerciais.

O que está em jogo no segundo turno então é se teremos um país menos injusto ou mais injusto, se teremos um país mais soberano ou mais subordinado, se teremos um país mais democrático ou menos democrático, se teremos um país ou se nos tornaremos definitivamente em um mercado especulativo e nos consolidaremos como um país conservador dirigido pelas elites oligárquicas (como um mistura de Daslu mais Opus Dei). Se seremos um país, uma sociedade, uma nação – democrático e soberanos - ou se seremos reduzidos a uma bolsa de valores, a um shopping center cercado de miséria por todos os lados.

Delírios, delírios...

black_label
04/10/2006, 19:05
carta maior sempre vermelha !!!!
Nada mais que uma gota no oceano. A imprensa de modo geral é Chuchu desde criancinha. Viram a capa da Veja? Se aquilo não é campanha pró chuchu eu mudo meu nome.

Belo texto Nomade. Diversidade de idéias não faz mal a ninguém, aliás só faz bem.

Nom4d3
04/10/2006, 21:59
Pois é, nao to postando nada aqui a favor de ninguem, são apenas ideias para apenas para abrir o olho de quem acha q o xuxu eh o Senhor Honesto. Tem coisa pra ******* por ae metendo o pau no governo Lula e tals... fizeram merda pra ******* mesmo, porem olhamos por outro lado e vemos um cara q nao teve nem a responsabilidade de terminar seu mandato até o fim. Não faço idéia de quem votar. Muito provavelmente anularei. Pois nao sei se vcs sabem, mas eh pra isso q serve o voto nulo. Para dizer que vc nao quer nenhum dos 2 lá. Caso o Nulo vença, rola outra eleicao com outros candidatos.

Darkness
04/10/2006, 22:31
Pois é, nao to postando nada aqui a favor de ninguem, são apenas ideias para apenas para abrir o olho de quem acha q o xuxu eh o Senhor Honesto. Tem coisa pra ******* por ae metendo o pau no governo Lula e tals... fizeram merda pra ******* mesmo, porem olhamos por outro lado e vemos um cara q nao teve nem a responsabilidade de terminar seu mandato até o fim. Não faço idéia de quem votar. Muito provavelmente anularei. Pois nao sei se vcs sabem, mas eh pra isso q serve o voto nulo. Para dizer que vc nao quer nenhum dos 2 lá. Caso o Nulo vença, rola outra eleicao com outros candidatos.


Na realidade esse é o voto branco, o nulo é de gente que errou e talz..

:up:

Harpia
05/10/2006, 07:54
Belo post Nomade, é triste ver que alguns não param para pensar sobre a profundidade das coisas e a resumem a picuinhas e ficam gritando para ver quem tem o bilau maior.

black_label
05/10/2006, 09:21
Só um esclarecimento. Voto nulo e em branco não invalidam eleições.

Para a contagem final valem os votos diferentes de nulo e branco.

João_Canabrava
05/10/2006, 10:40
O que está em jogo no Segundo Turno?

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se a Petrobrás vai ser privatizada – como afirma o assessor de Alckmin, Mendonça de Barros à revista Exame – e, com ela, o Banco do Brasil, a Caixa Economia Federal, a Eletrobrás.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se os movimentos sociais voltarão a ser criminalizados e reprimidos pelo governo federal.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se o Brasil seguirá privilegiando sua política externa de alianças com a Argentina, a Bolívia, a Venezuela, o Uruguai, Cuba, assim como os países do Sul do mundo, ao invés da subordinação à política dos EUA.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se retornará a política de privataria na educação.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se a política cultural será centrada no financiamento privado.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se teremos menos ou mais empregos precários, menos ou mais empregos com carteira de trabalho.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se haverá mais ou menos investimentos públicos em áreas como energia, comunicações, rodovias, saneamento básico, educação, saúde, cultura.

O que está em jogo no segundo turno não é apenas se seguiremos diminuindo as desigualdades no Brasil mediante políticas sociais redistributivas – micro-crédito, aumento do poder aquisitivo real do salário mínimo, diminuição do preço dos produtos da cesta básica, bolsa-família, eletrificação rural, entre outros – ou se voltaremos às políticas tucano-pefelistas do governo FHC.

O que está em jogo no segundo turno é tudo isso – o que, por si só, é de uma enorme proporção e já faz diferença entre os dois candidatos. O que está sobre tudo em jogo nos segundo turno é a inserção internacional do Brasil, com conseqüências diretas para o destino futuro do país.

Com Lula se manterá a política que privilegia a integração regional e as alianças Sul/Sul, que se opõem à Alca em favor do Mercosul. Com Alckmin se privilegiariam as políticas de livre comércio: Alca, assinatura de Tratado de Livre Comércio com os EUA, isolamento da Alba, debilitamento do Mercosul, da Comunidade Sul-Americana, das alianças com a África do Sul e a Índia, o Grupo dos 20.

O que está em jogo no segundo turno é a definição sobre se o Brasil vai subordinar seu futuro com políticas de livre comércio ou se o fará em processos de integração regional. Isso faz uma diferença fundamental para o futuro do Brasil e da América Latina. Adotar o livre comércio é abrir definitivamente a economia do país para os grandes monopólios internacionais – norte-americanos em particular -, é renunciar a definir qualquer forma de regulamentação interna – de meio ambiente, de moeda, de política de cotas, etc. É condenar o Brasil definitivamente à centralidade das políticas de mercado, com a perpetuação das desigualdades que fazem do nosso o país mais injusto do mundo.

O que está em jogo no segundo turno então é se teremos um país menos injusto ou mais injusto, se teremos um país mais soberano ou mais subordinado, se teremos um país mais democrático ou menos democrático, se teremos um país ou se nos tornaremos definitivamente em um mercado especulativo e nos consolidaremos como um país conservador dirigido pelas elites oligárquicas (como um mistura de Daslu mais Opus Dei). Se seremos um país, uma sociedade, uma nação – democrático e soberanos - ou se seremos reduzidos a uma bolsa de valores, a um shopping center cercado de miséria por todos os lados.

Tudo isto está em jogo no segundo turno. Diante disso ninguém pode ser neutro, ninguém pode ser eqüidistante, ninguém pode ser indiferente.


Fonte: http://agenciacartamaior.uol.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=1&post_id=55


Ótima piada!!! muito engraçada! :up:

Nom4d3
05/10/2006, 14:05
Só um esclarecimento. Voto nulo e em branco não invalidam eleições.

Para a contagem final valem os votos diferentes de nulo e branco.
Você está certo. eu me enganei, nas eleições isso não funciona.

João_Canabrava
05/10/2006, 15:17
Você está certo. eu me enganei, nas eleições isso não funciona.


em qualquer majoritária.

Se não me engano, as majoritárias são: Presidente e Senador. Não lembro se Deputado federal e outros entram.

MdM
05/10/2006, 15:17
Você está certo. eu me enganei, nas eleições isso não funciona.


Isso, fica indo atrás de corrente de internet e orkut !!!

Nom4d3
05/10/2006, 19:33
Isso, fica indo atrás de corrente de internet e orkut !!!

:up: